por Karen GimenezÉ preciso ser empreendedor?

É só olhar para o lado, para a frente que encontramos alguém falando sobre empreendedorismo. Entramos na internet, ligamos a TV e é a mesma coisa. Então quer dizer que agora todo mundo tem de ser empreendedor? Depende.

Primeiramente vamos ajustar o conceito. A grande maioria das pessoas confunde ser empreendedor com ser empresário. Vamos separar: empreendedorismo é um comportamento. Empresário é uma condição jurídica. Se por um lado você pode ser empreendedor dentro de um órgão público, você pode passar anos sendo empresário e não sendo empreendedor (um quadro um pouco mais difícil, mas é possível).

Ficou confuso? Então vamos começar pela definição do dicionário: “aquele que, por iniciativa própria, realiza ações ou idealiza novos métodos com o objetivo de desenvolver e dinamizar serviços, produtos ou quaisquer atividades de organização e administração”.

Ou, seja, não tem qualquer relação com ter um CNPJ no seu nome. Você pode ser empreendedor da sua própria vida. Ou não. E como isso se encaixa no mundo profissional, e até no pessoal. Vamos então analisar o conceito.

Analisando cada ponto... 

A primeira parte da definição fala de “iniciativa própria”. Isso vale para tudo na vida. O que fazemos apenas depois que alguém nos empurrou ou obrigou dificilmente fazemos com prazer. Da academia a alguma atividade no trabalho. Como isso mexe com a nossa vida neste momento em que cada vez mais as grandes instituições estão ruindo e que a gestão das nossas carreiras sai do RH das empresas e passa para as nossas mãos: TUDO! A empresa não vai mais olhar tempo de casa ou horas que se fica no trabalho para promover alguém. Ela vai escolher quem já está mostrando características de um cargo acima para poder lapidá-las. Então você quer ser gerente, o primeiro passo será buscar conhecimento para transformar suas atitudes em atitudes que a empresa espera de um gerente, por exemplo.

Outro ponto: “desenvolver e dinamizar”. Empreendedor é aquele que busca crescer não importa no que seja. Empresas crescem e gostam de quem quer crescer. Quero ficar aqui no meu cantinho não cabe nessa conversa. E gente lenta também não. Estamos em um mundo em que as coisas acontecem mais rapidamente. Importante lembrar que rápido não quer dizer com pressa, como enfatiza sempre o tão admirado Mario Sergio Cortella. Dinamizar quer dizer não perder tempo com coisas ou pessoas inúteis. Está muito mais ligado a foco e concentração do que fazer de qualquer jeito só para tirar da frente. Até por que, quem faz com pressa tem de fazer novamente para consertar os erros e no fim das contas, ao somar todos os retrabalhos, a tarefa não foi feita com rapidez e muito menos dinamismo.

Fechando o conceito, o dicionário fala de atividades de organização e administração. Sim um empreendedor não fica focado apenas na criatividade de um produto ou serviço: criei um app novo, um bolo ou uma roupa bonita. Empreendedor dá valor à organização e à gestão, porque sabe que elas são elementos importantíssimos para que você tenha tempo e liberdade para criar. Costumo dizer que a disciplina é a melhor amiga da liberdade, mas sobre isso falarei em uma outra oportunidade.

Resumindo para o texto não ficar cansativo: em um mundo em que as grandes organizações estão se tornando a soma das pequenas - ou você acredita que todos aqueles departamentos que você encontra nas grandes indústrias, universidades, hospitais fazem parte da mesma empresa? Engano seu. Sob aqueles grandes guarda-chuvas muitos departamentos são, na realidade, pequenas empresas prestando serviços dentro de um cliente – no caso aquela grande empresa - e você nem sabe. Em um mundo em que a tecnologia substitui muito da estrutura física e humana, em que a mobilidade está comprometida e o CEP da residência já é filtrado nos robôs de seleção de currículos, o consumidor querendo cada vez mais personalização e as relações de trabalho estão perdendo vínculo no mundo todo, será que cada um de nós não precisa colocar pelo menos um pouco do conceito de empreendedorismo mesmo que seja para gerir a própria vida?

Não, realmente você não precisa ser dono de uma empresa. Mas o ambiente atual pede que você seja dono da sua própria vida mesmo que empregado ou até apenas estudando. Então, comportamento empreendedor, mesmo que apenas para autogestão, é algo que vai ser difícil de escapar nestes tempos modernos.



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
N2R   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • É preciso ser empreendedor?
  • 2018: O que precisa ser feito
  • A revolução dos lixeiros
  • Home office e a Lei
  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia