por Karen GimenezA revolução dos lixeiros

Na noite de 29 de outubro, o Fantástico, programa semanal da TV Globo, exibiu uma reportagem sobre dois lixeiros, Kennedy e Romildo que trabalham em Umuarama, no interior do Paraná. Quem esperava um vídeo triste de lamentos pelas condições de vida e pobreza surpreendeu-se com o conteúdo. A reportagem era sobre o canal educativo que os dois têm no youtube falando sobre o descarte correto de lixo.

O que muita gente com boas condições financeiras aprende nas escolas que custam o dobro do salário dos dois, mas que não coloca em prática, foi não somente ensinado mas praticado pelos dois. O vídeo viralizou e – o principal – trouxe resultados significativos para a melhoria da coleta de lixo no município. Como amarrar os sacos, de que maneira colocar, como descartar materiais especiais, o perigo do vidro quebrado, entre outros assuntos.


O que é possível aprender com Kennedy e Romildo? Que na vida temos apenas duas escolhas: resolver ou reclamar. E a dupla decidiu resolver. Não precisaram de escolas caras para aprender, não precisaram de dinheiro e nem de recursos sofisticados para fazer acontecer.


Precisaram apenas de dois elementos: a disposição para resolver e olhar com inteligência para os recursos que tinham em mãos. Quando falo em recursos incluo os internos e os externos: sim, recursos internos como inteligência, disposição, simpatia e a legítima vontade de ajudar e realizar. Externos eram poucos, mas suficientes: apenas um celular e acesso à internet.

O exemplo de Kennedy e Romildo ainda gera um importante questionamento sobre o quanto realmente não temos condições para realizar algo ou o quanto nos escondemos atrás de desculpas que mascaram nosso medo e a nossa preguiça de pensar e de agir.

Muito da nossa inteligência e capacidade acaba guardada no fundo da gaveta porque queremos nos esconder. Desperdiçamos os nossos recursos internos e a nossa capacidade de pensar em pleno século 21 quando desperdiçar é quase um crime.


E como fazer para acessar meus recursos internos? Como ser um realizador como o Kennedy e o Romildo? Tendo a coragem de se questionar. O segredo é não se contentar com a sua primeira resposta. Quando encontrar alguma dificuldade, quando vier aquela voz dizendo 'não dá!', faça o exercício abaixo, pergunte a si mesmo:

• Que fatores me mostram que isso não é possível?
• E quais as maneiras que eu tenho para tirar cada um desses obstáculos da minha frente?
• E se essas maneiras que mapeei não acontecerem, quais são os recursos alternativos?
• E se o recurso alternativo não se concretizar qual a minha terceira opção?
• Qual a intensidade do meu medo ou da minha preguiça que podem me impedir de realizar essa ação?
• E se fosse o Kennedy ou o Romildo no meu lugar, o que eles fariam? Iriam resolver ou reclamar?

Se você não viu a reportagem, assista: https://goo.gl/uAt4KK



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
PMG   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • A revolução dos lixeiros
  • Home office e a Lei
  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia