por Karen GimenezAs Emoções e o Dinheiro

Está faltando dinheiro e sobrando mês? Precisa sempre ganhar mais? Talvez não. O que possivelmente você precise trabalhar melhor são as suas emoções e o seu tempo. Como assim? É isso que nós vamos ver agora.


Independentemente do nosso conhecimento técnico sobre finanças, as nossas emoções e a gestão de tempo têm grande responsabilidade sobre a nossa saúde financeira. Eu diria que são as maiores responsáveis por ela. Claro que é muito importante você ter pelo menos uma base sobre o que é um tesouro direto, as diferenças entre os fundos etc., para fazer seu dinheiro crescer. O que nós vamos falar hoje vem antes disso. Se você não gerir bem as suas emoções e o seu tempo, não vai adiantar nada você ser um home broker. Não vai sobrar nada para você investir por maior que seja o seu rendimento. Você pode perceber isso em muita gente que ganha na loteria e perde tudo. Ou pessoas que têm salários astronômicos e não constroem nada, enquanto aquele que ganha bem menos organiza um futuro tranquilo.


O conhecimento técnico sobre finanças, eu diria que é a ponta do iceberg de uma boa saúde financeira. Logo abaixo vem a boa gestão do tempo. Por que muitas lojas ou empresas prestadoras de serviços cobram as chamadas taxas de urgência, mesmo que um pedido urgente não mexa muito na rotina daquele fornecedor? Porque eles sabem que quando você precisa de algo rápido, quando você não tem tempo para procurar, você paga o preço que for para ter o seu desejo atendido.


Ainda falando sobre o tempo, vamos a um exemplo bem simples, mas que pode dizer muito sobre a sua saúde financeira. Domingão, você acorda tarde, se enrola com um monte de coisas que não levam você a nada, fica pra lá e pra cá à toa e quando você vai ver no fim do dia, não fez absolutamente nada e muito menos organizou a marmita da semana. Está achando brega, coisa de pobre falar de marmita? Pode começar a mudar a sua cabeça! Marmita, além de bem mais saudável para o corpo e para o bolso, está ficando até algo chique.


E a consequência disso: a semana inteira você ter de almoçar em restaurante porque você decidiu jogar o seu tempo fora no domingo. E provavelmente vai almoçar no restaurante mais perto do seu escritório – e que não necessariamente é o mais barato – porque não conseguiu terminar as tarefas de trabalho da manhã e vai usar parte do horário do almoço para fazer isso.


Gerir mal o tempo faz com que percamos o poder de análise para usar o nosso dinheiro de maneira correta. Então, se você quer fazer o seu dinheiro render mais no fim do mês, comece a dar mais atenção ao seu tempo. Olhe para a sua agenda com mais carinho e dentro dela separe efetivamente o seu tempo para organizar a sua vida financeira da próxima semana.


Exatamente isso que você ouviu - assim como você planeja – ou deveria planejar – os seus compromissos da próxima semana, planeje os seus gastos da próxima semana. Tem muita gente que acredita que investir na saúde financeira é anotar o que já gastou. Com certeza isso é importante e precisa ser feito. Mas vamos olhar para frente. Use o seu tempo hoje para evitar os gastos de amanhã.


Não jogue fora o seu tempo com coisas que não vão lhe trazer nenhum ganho. Aqueles 20 minutinhos que você coloca na soneca do despertador não vão contribuir em nada com a qualidade do seu descanso e podem ser decisivos na sua saúde financeira. Eles podem ser a diferença entre você ter de pegar um uber porque não vai dar tempo de ir de ônibus, por exemplo.


Agora quero falar sobre as emoções, que são a base de toda essa estrutura. Você só vai conseguir organizar bem seu tempo e ter uma boa saúde financeira se você gerir bem as suas emoções, pois são elas que vão direcionar as suas decisões.


Mas como isso funciona? Primeiro vamos olhar para as nossas compras. Muitas vezes compramos coisas que “acreditamos” precisar, só que no fundo estamos adquirindo um conforto temporário para a nossa alma.
A compra do nosso carro, por exemplo. A grande maioria da população, se levasse em conta apenas a sua real necessidade, compraria um carro bem mais simples do que efetivamente o faz , ou até mesmo constatando que as suas reais necessidades podem ser atendidas por um Uber. Você compra um carro muito mais pela sensação que ele lhe dá do que pela utilidade daquele modelo para você.


Muitas das nossas decisões financeiras são motivadas pela inveja. Ah, lá vem você dizendo novamente ‘eu não sou invejoso!’. É. Dá uma olhadinha no seu armário e veja se você nunca comprou absolutamente nada porque um amigo ou um parente tem e depois não usou.


Nós gastamos dinheiro por vergonha. Vergonha de achar que não estamos condizentes com os nossos amigos. Nós gastamos dinheiro por culpa. Principalmente com a família. Filhos, esposa marido, vivemos compensando financeiramente a nossa falta de atenção ou de interesse.


Nós gastamos dinheiro por insegurança, porque temos medo de não sermos aceitos em determinados locais ou meios que nos interessam.Nós gastamos dinheiro por ansiedade, porque nos sentimos pressionais e queremos compensar nos dando algum prazer que acreditamos que um produto ou uma situação pode nos dar ou nos aliviar de algo que nos incomoda. 

Um exemplo que eu gosto muito é o do celular. Gastamos 3 mil, 3.500 reais em um celular que tem 500 recursos dos quais só usamos 10%. Justamente os 10% que também estão presentes em modelos mais simples, mas que não vêm em uma caixinha brilhante com uma maçã mordida estampada. Mais uma vez as emoções mandando nas decisões que poderiam ser racionais.


Vamos tomar cuidado para não confundir ‘eu quero’ com ‘eu preciso’. E também não confundir o que eu efetivamente quero. Eu efetivamente quero aquele celular cheio de coisas que eu não sei mexer ou eu quero a sensação de inveja ou de pseudo admiração que eu acredito que provoco?


Por isso, vamos olhar com mais carinho para o nosso tempo e também para a nossas emoções. A saúde do corpo, da mente e do bolso agradecem.



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
B7B   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • As Emoções e o Dinheiro
  • O RH e o Big Data Governamental
  • Quando a empresa vira alvo na internet
  • Fake News, você está preparado?
  • É preciso ser empreendedor?
  • 2018: O que precisa ser feito
  • A revolução dos lixeiros
  • Home office e a Lei
  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia